Publicidade, o que você tem a ver com isso?

Sei que o conteúdo do blog não é sobre esse tipo de assunto, mas espero que esse texto ajude muita gente e seja um debate ao mesmo tempo, por isso eu chamo o meu amigo “José” para discutir um assunto que faz parte da minha vida (e agora José?).

Porque?
Eu fico irritada quando vejo pessoas que não estudaram, escutam/leem que os outros dizem e ainda por cima acham que são especialistas. Isso foi até discutido em sala de aula (quando eu estudava Comunicação, a muito tempo atrás), pessoas que fazem qualquer outra formação e acham que sabem o que é realmente publicidade, pior, querem trabalhar com isso sem passar por um curso.
Publicidade é ligada a psicologia, economia, marketing, cultura, sociologia, história, estatística e principalmente comunicação. Sim, quem não se comunica, não atinge o seu publico alvo. Logo, target não quer dizer o público e sim, tipo de público alvo…

Quem você quer atingir?
Muitas vezes, você pode atingir inúmeras pessoas, mas nem sempre essas pessoas são o seu público alvo. Com o blog é a mesma coisa, você pode ter mil visitas vindo de sites de busca, mas quem falou que essas visitas são o público fiel, que batem cartão todo dia e discutem o que você tem para dizer? Ou voltam no dia seguinte para continuar lendo as suas novas postagens.
Existem várias formas de comunicar, com imagens, sons, sentidos e palavras. Você pode chamar atenção, escrever um texto engraçado, criar um drama, utilizar vários recursos e realista.
Não importa qual é a escolha, mas você realmente atinge o seu target?
Eu gosto de falar que no blog eu tenho os meus fieis seguidores, gente que gosta de ler o que eu escrevo e isso é como um combustível para continuar escrevendo.

Descobrir o target, é complicado?
Claro que é Zé!!
Precisa de pesquisa, ser original, ser diferente, ter idéias inovadoras, traçar e definir o perfil do consumidor para chamar atenção.
Não é aquela história que todo mundo acha “eu tive várias idéias criativas e vou vender para um cliente”, para quem não sabe, trabalhei 6 anos em uma Assessoria de Comunicação de uma empresa de porte grande e já vi muitas agências de publicidade penarem e levarem não na cara.

Quer conhecer o seu produto?
Seja blog, artesanato, prestação de serviço, assessoria ou qualquer outra coisa?
Primeiro goste do que você faz!
Tudo que você não gostar e mesmo assim “opa, vou ganhar dindin com isso” não dará certo ou será um fardo para carregar…
Querido Zé, volte ao mundo real, a vida não é assim quando não se tem amor pelo o faz. Nem sempre aquilo que você pensa como algo fácil, que te trará dinheiro, presentes e reconhecimentos, simples assim.
É necessário investir, dedicação, conhecer o seu produto, ser justo, ter tolerância, paciência e acreditar. A partir do momento que você acredita no que faz, as outras pessoas começaram acreditar no seu produto (ai começa o marketing pessoal, aonde você acredita e trás outras pessoas acreditarem em você).

Veja se é isso realmente que você quer, todo início (de qualquer coisa) tem 97% de dar certo, reserve um tempo para dedicar-se, veja se terá tempo para produzir e ao mesmo tempo comunicar. Sinta na pele se é realmente isso que você quer, se encaixa no momento da sua vida e assim poder caminhar. Já vi muitas pessoas desistirem do seu negócio por causa do sucesso, gerando vários pedidos de compra, e ao mesmo tempo, não conseguir atender a demanda. A princípio, tudo que olhamos e gostamos, parece ser fácil, mas no dia a dia, a história é bem diferente.

Segundo passo: você está começando?
Bacana!
Conseguiu uma boa clientela?
Poxa, que legal!
Quero mais? O que fazer?
Ninguém começa bancando publicidade em grandes mídias e nem assessoria de imprensa para estar nos principais veículos de comunicação.
Para salvação de muitos, existem as mídias sociais (blog, facebook, twitter entre outros). Mas não adianta criar uma conta e ficar sentado na frente do computador esperando o mundo acontecer. Você precisa se comunicar, ser visto, entrar em contato com outras pessoas, conquistar a opinião delas e fazer com que elas gostem do que você faz. Claro, precisa do apoio de outras pessoas para divulgação, comece a procurar parceiros que poderão ajudar nessa nova jornada.

Uma outra coisa, muito importante nessa história toda: comunicação, meios, mídias não são garantia nenhuma de vendas e sim investimento, informar que a marca existe, pronta para ser conhecida e ganhar reconhecimento. Não adianta você falar, vou gastar “x” em publicidade para receber “y” em vendas, isso não existe. Você vai gastar “x” em publicidade para “y” pessoas conhecerem a sua empresa e produto. Claro, as empresas que já existem no mercado tem história e são conhecidas, porque começaram antes de você, pesquisaram, divulgaram, investiram e continuam fazendo isso.

Não é uma publicidade que te trará sucesso, e sim um conjunto de fatores, desde o atendimento, o funcionamento, o produto e o pós-venda que causa a satisfação, fazendo com que o cliente retorne.

Mas quem ainda não existe para o mundo? Está apenas começando?
Nem sempre enviando uma mala direta ou entregando panfletos você atingirá o seu target, vamos ser sinceros, é um investimento arriscado, que precisa ser estudado para atingir o consumidor. Ou seja, se você vende planos de saúde, não será na porta de uma escola que será distribuído o panfleto e sim, na frente de um hospital.

Mas Zé, sabe o que funciona nesse mundo?
Propaganda boca a boca.
Sabe o que pode destruir a sua vida?
Propaganda boca a boca.

Vou dar exemplos de como isso funciona:

Surge uma nova marca de absorvente e a sua esposa pensa “Para que eu vou trocar a marca do meu absorvente para uma que nunca vi na vida?”
Agora, vem uma amiga de infância e fala “Amiga, comprei aquele novo absorvente e é uma maravilha!”, garanto que ela vai comprar e experimentar. Não é?
Porém, se a irmã da sua esposa falar antes “não gostei, o absorvente desmancha na primeira hora de uso”, ela vai pensar duas vezes antes de comprar.
A opinião das pessoas vale mais que 30 segundos de filme publicitário veiculado nos meios de comunicação. Mas se ela já conhece a marca, usa e virou um dos itens obrigatórios de compra no supermercado, claro que comprará o novo produto e experimentará.
Uma publicidade na televisão, revista, jornal, internet, entre outros, despertará curiosidade em experimentar aquele novo produto, desde que esteja no seu perfil de compra.
Agora, se eu ver uma publicidade de caminhão, que pula, faz malabarismo e ainda dá flores no final… posso achar muito bacana e prender a minha atenção, mas para que eu vou comprar um caminhão?
Tá vendo, eu não sou público alvo do caminhão, simples assim.
Mas escuto de um amigo “Estou pensando em comprar um caminhão” e eu logo respondo “Você viu aquela publicidade?”… hellouuu, olha a propaganda boca a boca ai minha gente. Claro, o ser humano vai ver a publicidade, pesquisar sobre a marca, ver com pessoas que já compraram e se for tudo de bom, logo comprará.

Vou falar algo estranho, ao mesmo tempo real: todo ser humano é curioso e também desconfiado.
Se você não entendeu, entenderá agora!
Para adquirir qualquer produto, primeiro precisa existir a necessidade.
Você quer fazer uma festa e precisará de um palhaço. Algum momento, o palhaço virou necessidade para você. O seu próximo passo é procurar quem faz esse tipo de serviço, algumas procuram em classificados, outras com pessoas próximas, entrará em contato, fará mil perguntas e pedirá até indicação de outros clientes. Claro, você não sabe se está colocando um palhaço ladrão na sua casa? Entra a desconfiança.

Porque a desconfiança existe?
Acredite, você já comprou algo pela empolgação e o produto não presta?
Ai entra a memória, lembranças suas ou de outras pessoas que passaram por algum processo que foi negativo, formou-se uma opinião, ninguém está aqui para cometer erros e ser tachado de “babaca”, mas aprendemos com os erros.

Agora, pegue o seu filho e coloque-o na frente da televisão assistindo a publicidade de um brinquedo que nunca viu na vida e ambos não conheçam a marca. Se ele for o publico alvo daquele brinquedo para idade dele, você vai escutar dez mil vezes “eu quero papai”, pelo simples fato, ele ficou curioso para brincar com aquele brinquedo (criança não tem formação de opinião concreta, ele só criará isso com o passar dos anos, com os acertos e erros, vendo o brinquedo em mãos e brincando com ele). Bem, quem é pai ou mãe, sabe como é difícil dizer não a um filho, mesmo o brinquedo sendo uma porcaria.

Sabe Zé, depois de escrever e escrever, vi que o assunto é longo, tem muito mais coisas para ser falado, ser explicado, mas isso é um blog pessoal e tenho medo que vire uma tese de TCC e não é bem isso que eu quero, só quero que as pessoas entendam que o buraco é bem mais em baixo. Mas espero que as pessoas entendam que a publicidade é algo mais profundo do que elas imaginam e que comunicação é algo importante na vida de qualquer ser humano.

4 comentários para “Publicidade, o que você tem a ver com isso?”

  1. Oi , olha eu aqui outra vez. Adoro teu espaço, adoro como você coloca teus textos e as vezes me sinto meio intrusa, num espaço que considero tão inteligente, de bom gosto, sofisticado e ao mesmo tempo tão simples, mas mesmo assim venho, admiro e leio teus textos e muitas vezes me atrevo a comentar. Trabalho com artesanato, não entendo nada de publicidade, mas acredito que como tu falastes, quando é feito com amor, quando há simpatia, quando existe qualidade no produto, quando há pontualidade, quando há percepção da necessidade do cliente, quando há curiosidade, quando procuramos aprimorar para melhor atender, esse conjunto de fatores já é por si só um passo para o sucesso, ou pelo menos dará credibilidade a propaganda. Quem não tiver dinheiro para investir em publicidade, acho que pelo menos faça de si e de seu produto a principal propaganda, isto com certeza gerará um boba a boca favorável.
    abraços.

  2. Nana, eu estudei Comunicação, mas Jornalismo.
    Eu entendo, perfeitamente, tudo que escreveu, visto que a área de publicidade precisa ser cuidada por quem a conhece. Os seus exemplos são bem claros.

    Gostei muito do seu texto!

    Bjs

  3. Nana querida,
    Excelente esse post. Estava super confusa aqui em casa e aguardei um momento de descanso para ler com tranquilidade. Super esclarecedor. Já pensou em dar palestras? Sério!
    Vou mostrar o texto para meu marido.
    Beijinhos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *