Diário de Viagem,  Ushuaia - Argentina

Diário de Viagem: Gastronomia em Ushuaia

A Gastronomia de Ushuaia se divide em três partes: Mar: com seus peixes, mariscos e frutos do mar. Terra: com suas carnes. Cozinha Internacional: com suas comidas italianas, japonesas entre outras. A internacional deixamos para lá, não era o nosso foco, apesar de termos comido uma pizza antes de embarcar e a massa é mais grossa que daqui, sim, mais grossa (se aqui já tem massa grossa, imaginem!), costume na Argentina.
Sinceramente, me decepcionei com a baixa qualidade dos restaurantes, a culpa pode ser de São Paulo com sua alta gastronomia ou pelo fato de eu saber cozinhar, mas em muitos restaurantes a comida era fria, com pouco tempero ou sal. O Cliente Vip fala: “é a cultura daqui, você que dá o tempero final da comida, não é igual a São Paulo que tudo já vem temperado e pronto”, enfim, não curti mas não fiz dessa viagem uma viagem gastronômica.

Decidimos experimentar nos primeiros dias a Centolla, uma espécie do Caranguejo Rei, enorme, parecido com o caranguejo do Alasca. Fomos ao restaurante Tia Elvira, um daqueles que tinhamos lido bons comentários, o ambiente é pequeno e gostoso, mas a comida parecia ter sido preparada antes e congelada ou usavam produtos prontos. O suco tivemos certeza que era industrializado porque a nossa companheira de viagem perguntou para a garçonete. A Centolla até que não estava ruim, mas o  creme de parmesão era enjoativo e estava ralo. Foi a nossa primeira experiência e não foi muito bem vinda por mim.
Outro lugar que comemos a Centolla foi no Maria Lola Restó, o ambiente é lindo, os valores super bacana, fomos atendidos pelo dono do local e a comida, a melhor de todas que comemos pela cidade. Pedimos uma entrada que vinha vários frutos do mar, típicos da região e a Centolla, super recomendado. Quem quiser comer uma Centolla de qualidade em Ushuaia vai gastar entre 100 e 150 Pesos em um prato para uma pessoa.

Depois trocamos os restaurantes clássicos pelos “tenedor libre”, ou no bom português: “coma o que quiser e pague um valor x”. O primeiro a ser visitado foi o famoso Arco Iris! Para quem não espera um lugar lindo, serviço de mesa, pintura bonitinha, nenhuma mesa com problemas do tipo bamba ou torta, apenas liga para a comida, até que vale a pena. Comida boa, mas o que me surpreendeu mesmo foi a comida chinesa e o churrasco, muito bem feitos. A única coisa que os garçons fazem no restaurante é anotar o seu pedido de bebidas, colocam na mesa (você mesma serve no copo) e trocam os pratos, quando for se servir novamente no buffet. O Churrasqueiro era uma pessoa com camiseta comum e cheio de tatuagens, mas lembre-se, quem vê cara, não vê coração. Um calor infernal naquele pequeno espaço, ele era super simpático e até pediu para retornar outro dia (não retornamos por falta de tempo). O valor foi 90 Pesos por pessoa.

Outro tenedor libre que provamos foi o La Estancia, o lugar é super bonito, mas achamos dois brasileiros perdidos, o resto das pessoas eram famílias francesas, italianas, alemãs, resumindo, os europeus. O buffet de salada era o melhor, muitas opções e claro, tempero a parte. A comida pronta estava fria, a Paella sem graça, carne é melhor pegar com o “homem do churrasco”, deixe do buffet de lado. O Churrasco foi o melhor que comemos, um churrasqueiro super bacana, usando jaqueta de chefe e também super atencioso.  Pedimos um pedaço pequeno de carne e de cordeiro e sempre era um pedação de carne (imagina o grande?). Resumindo, fiquem com o buffet de salada e com o churrasco, que você comerá como um rei. O valor foi 120 Pesos por pessoa.

Nesse dia experimentamos a cerveja Patagonia, foi o nosso amor de cerveja nessa viagem! Claro, a Quilmes continua sendo a nossa queridinha, já que podemos encontrar ela por aqui. Sobre a Beagle, não achei muita graça e não experimentamos outras que são feitas e vendidas na região. Mas um amigo do Cliente Vip que ganhou uma Cape Horn nossa, provou e gostou. O preço médio da cerveja por lá é de 15 Pesos (garrafas pequenas) e 40 Pesos (garrafas grandes). Não tomamos os vinhos, achamos caro o valor nos restaurantes (70 Pesos a garrafinha de 350ml) e deixamos para experimentar um dia, quem sabe, em outra viagem para Argentina.

Também jantamos no Café-Bar Banana, um combinado por 70 Pesos. Vinha uma sopa sabor “sopa de saquinho”, um bife frito, uma salada de tomate e alface e uma porção super pequena de batata frita. O atendimento foi até que bom, apesar do Cliente Vip não ter sido atendido por ter sentado à mesa 10 minutos depois de nós, o restaurante é bem bonitinho. Bem, como dizem por aqui, o restaurante mais barato, você quer o que? Dá para matar a fome.

Todos os restaurantes você não precisa pagar uma taxa de serviço ou gorjeta (propina), paga para quem você quiser e o valor que você quiser. Também, se não quiser pagar, não pague… mas é bom agradecer por um bom serviço de mesa e sempre agradecer o churrasqueiro (eles merecem, vivem no “Inferno de Dante”!!).

Para sobremesa, coloquem na lista os sorvetes artesanais! São os melhores que já experimentei e enormes, mesmo estando um frio do carvalho, custam em média 20 Pesos.

Ah supermercado, meu shopping favorito! Claro que essa brasileira maluca precisava conhecer os supermercados de Ushuaia :)

Fiquei apaixonada pela qualidade e valores, sai muito mais barato você comprar várias coisas para um lanchinho e comer na pousada, em média gastamos no supermercado 80 Pesos e durava três dias. O salame é o melhor que eu já comi na minha vida, as batatas fritas nem se fale. No fim do mundo tem Carrefour, mas nem chegamos perto, usamos a rede La Anónima para comprar as nossas besteirinhas e trazer para casa doce de leite, balinhas e etc.

Enfim, a minha segunda e última reclamação dos brasileiros fora do Brasil: quando você entrar em um restaurante ou qualquer outro lugar e ver pessoas falando alto, querendo aparecer ou gritando “vem aqui fulano”, fazendo com que o resto do mundo olhe para aquela mesa ou grupo de pessoas, sim, são brasileiros.
Ah, sem esquecer do Aeroporto de Ezeiza, na ida, onde várias pessoas fazem malabarismo para colocar sua bagagem no check-in e uma bunda grande ( brasileira sem noção ) está no meio do caminho ocupando o check-in ao lado, atrapalhando a pesagem e passagem de malas ou uma pré-adolescente mimada, e seus pais ignorando o resto das pessoas na fila, decide sentar-se na balança, certeza que são brasileiros.
Sim, eu tive que pedir licença para um grupo de brasileiros que estavam fazendo isso no aeroporto, claro, cara feia foi feita, mas sou brasileira também e sei mandar sair de perto (sem fazer escândalo, por favor!
Se fosse o Cliente Vip, ia resolver tudo da forma menos gentil, aproveitando que ele estava com uma mala de 1,70m(com todo equipamento de snowboard dele), porém a paciência dele fez com que espere e veja o que o grupo de brasileiros iria fazer.)

4 Comentários

  • Patricia S

    Nana,

    Deixa eu ser chata de novo? Quanta comida ruim nessa cidade meu deus!!!! A melhor comida foi a do Chez Manu, que fica lá em cima nas montanhas, perto dos resorts, restaurante famoso de lá, que tem uma visão maravilhosa da cidade, mas muito caro e vem bem pouca comida (confesso que ainda saí com fome de lá, kkkkk). Esse La Estancia, é fatal, nunca vi aqui no Brasil uma apresentação tão feia de um buffet, quanta comida com cara feia. E é como vc falou, tudo sem tempero, affff…
    Ahhh, os supermercados, amei também, e fui no La Anonima e no Carrefour, e uma perguntinha: por que será que as marcas não vendem as mesmas coisas em todos os países? Por exemplo: provei um iogurte maravilhoso da La Serenissima que não tem aqui no Brasil, e os sorvetes da Nestlé, cada um melhor que o outro e tmb não tem aqui :( Pra mim não tem nada melhor do que conhecer farmácias e supermercados quando estou fora do meu país, a louca mesmo né??
    E uma pena foi não ter provado os sorvetes, o frio não permitiu. Taí um bom motivo pra voltar, kkkk!!!!!
    Bjo

  • Nana

    hahaha Patricia, já falei para o meu marido, quando voltar, não quero saber de restaurantes. Prefiro atacar as besteiras que vende no mercado ou pegar um lugar que tenha cozinha. Achei muito dinheiro para pouca coisa. O verão lá deve ser lindo, mas aqui em casa é esportes para neve, só se morarmos lá para curtir os passeios de verão kkk

    Bjs

  • Ana Paula

    Olá Nana!
    Estou sentada aqui no quarto do hotel em Ushuaia, tendo como paisagem o Canal de Beagle. Chove e o vento lá fora é cortante!
    É a terceira vez que venho aqui… E não ESQUIO. Jurei que não vinha mais, pois já conheço tudo aqui. Porém conseguimos reunir a famìlia, marido e filhas, e resolvi voltar.
    Também sou aficcionada por supermercados e farmácias quando viajo! Ontem fui ao La Anonima comprar o lanche(cachorro quente). Achei uma salsicha tipo alemã maravilhosa, e o pão deles é muito bom tb (o trigo é da melhor qualidade)! Comprei varios condimentos, sal light, pudins Royal de doce de leite e outras cositas más…
    Hoje, por causa da chuva, acho que vou ao Carrefour a tarde ver se encontro alguma novidade.
    Bom saber que não sou a ùnica doida que coloca supermercados nos pontos turìsticos!
    Bjs

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *