Papo de Menina

O silencio

Algumas pessoas estão perguntando sobre o meu silêncio e de um tempo para cá, eu decidi mergulhar profundamente em um abismo. Primeiramente começou com a sensação de medo, depois apareceu a fragilidade e logo juntou a furia, a dor, a angustia, a traição, o fracasso e a cobrança.

Sim, eu fui até o fim, até o fundo do meu abismo. Meu corpo foi dominado, eu me deixei cair e não poderia fazer nada contra isso. Em algum momento chegou o pânico e vi como é horrível tudo isso. A insônia virou a minha maior companhia. Cheguei no momento da loucura, me senti fraca, sem forças, o meu corpo estava sendo destruido e a minha alma sendo devorada, tudo isso em silêncio.

Não, não é uma questão de Deus, eu tenho Deus muito presente na minha vida e eu sei que ele estava ao meu lado durante esse processo chamado sentimentos. Sim, é uma questão muito maior que tudo isso… eu perdi a fé e para aliviar a dor que todos esses sentimentos causavam, só me restava chorar por dentro.

Isso poderia ser uma história triste, poderia… mas não é. Esse tempo todo, eu ignorei tudo isso na minha vida, não deixei esses sentimentos me influenciar e atrapalhar o meu caminho. Eu sabia que uma hora todos esses sentimentos que estavam sendo deixado de lado na minha vida, iam explodir e ninguém teria medo do que aconteceria comigo, pelo simples fato do meu silêncio. Apenas Deus sabia, saberia e sabe.

Não, não e não, não estou pedindo auto piedade, pena ou esmola, apenas estou quebrando o meu silêncio.

Em um momento de histeria (interna podemos dizer, por causa do silêncio), eu olhei para o meu marido e falei “preciso me curar, não quero ficar louca e chegar ao extremo do que eu estou agora”.

Eu percebi como eu era fraca, como eu deixava as pessoas me influenciarem, me usarem e até me machucarem psicologicamente. Nesse momento eu me aceitei… me aceitei que não poderia curar todos os problemas do mundo, eu poderia ajudar pessoas que eu amo, que estão ao meu redor (ou não), mas eu não tenho a responsabilidade de curar ou levar o mundo de ninguém.

Logo eu percebi que as minhas respostas não estão em uma loja de roupa, não estão naquela maquiagem e nem na casa mais cara, linda e chique do mundo. Eu poderia sair, comprar várias coisas que eu acho bonito, mas eu continuaria me sentindo feia por dentro. Eu poderia ter o apartamento dos sonhos mas não me sentiria feliz se não curasse a minha alma. Uma das questões que mais me incomoda na minha vida (tanto das pessoas perguntarem também) é sobre ser mãe. Descobri o porque eu não poderia ser mãe, simplesmente não posso colocar uma alma no mundo nessa maneira, eu sempre tive medo de não saber criar, de não poder dar o que ele merece, que tudo é muito caro, que tudo é muito angustiante, de não poder realizar os desejos e nem poder lidar com as frustrações daquela criança. Também percebi que para o meu filho ser feliz, eu precisava curar a minha alma, para que todos esses sentimentos não dominassem meu filho futuramente e ele se sentir um incapaz no mundo. Não, eu não quero, eu quero que ele seja capaz de lidar com as emoções e tudo que o mundo poderá oferecer para ele, nos momentos bons e ruins. Mas primeiro eu tenho que aprender sozinha a lidar com tudo isso.

Fazem apenas dois dias que comecei a cuidar da minha alma. Estou estruturando a minha alma com meditação e filosofia oriental, nesses dois dias comecei a me sentir melhor. Nesse momento eu consigo ver que o pânico não está mais presente, apesar da minha cabeça parecer que está com algo solto dentro. As vezes tenho tontura e/ou cansaço, mas aquela dor que estava centralizada no meu peito está indo embora e quando ela volta, eu simplesmente paro e medito, limpo a minha mente e aceito que não posso parar o ciclo da vida e faço parte da natureza.

Não, não quero converter ninguém, não estou com cabeça de explicar sobre fé e nem de bater de frente com ninguém. Como eu sempre falei, eu respeito todas as religiões do mundo, mas isso não quer dizer que é uma certa religião ou outra que fará a minha vida mudar, principalmente depois de escutar pessoas declarando amor perfeito para aquela religião, mas cometerem os sete pecados capitais… principalmente quando se trata de vaidade.

Mas algo me diz que eu precisava escrever tudo isso aqui do que permanecer em silêncio, mas eu ainda prefiro me manter em silêncio (sem perguntas, salvações ou julgamentos). Quando eu sentir que devo falar mais sobre isso, eu publico aqui no blog.

Não se preocupem, a programação no blog continuará normal nos próximos dias, sem muito mi mi mi  da blogueira aqui :)

10 Comentários

  • Magaly G.

    Oi Nana!! Como vai? Meu nome é Magaly e sou Terapeuta Hollistica. Lendo o seu relato eu me vi e também vi dezenas de pessoas que cuido. Não tenho a menor intenção de te oferecer os meus serviços, pois vejo que vc já está encontrando um caminho para seu equilíbrio. Apenas, quero te dizer que passei por tudo isso e que foi isso que me motivou a estudar Naturopatia para buscar a cura da minha Alma e auxiliar outras pessoas que passassem pelos mesmos problemas. E, neste caminho em busca da cura da Alma, os Florais de Bach me foram e são uma ferramenta essencial para a cura das emoções e, consequentemente da Alma. Vc já leu a respeito de Terapia Floral?? Os Remédios Florais aliviam (e MUITO) o sofrimento emocional e favorecem o despertar da consciência suprema, tornando o caminho da evolução espiritual bem mais leve e prazeroso. Sozinhos eles não fazem nenhum milagre, mas, quando há o firme propósito de se encontrar a cura para os problemas emocionais e psicológicos (e vejo que a sua hora chegou) ele é um auxiliar poderosíssimo. Coloco-me a sua disposição para indicar-lhe Florais que possam auxiliá-la neste momento de expansão da consciência. Muita força e muita Luz para você. Com sincero carinho.
    Magaly

  • Mariana

    Oi, Nana! A vida é assim mesmo, tá? Todos nós passamos por isso, mas nem todos têm coragem, força e humildade para admitir, como você fez. Considere-se, por este ato, uma vencedora! Deus só coloca no nosso caminho aquilo que somos capazes de ultrapassar.
    Vai na fé que tudo ficará bem!
    Um beijo grande!

  • Adriana

    Olá,acompanho seus posts por e-mail e adoro,quanto ao silêncio??ele é essencial pra todos nós,estamos em processo evolutivo e essa evolução se dá faceira as vezes,mas,necessário,como dizia uma sábia amiga:”Dri,o tempo é Rei”,fique quietinha quando quiser,fale quando sentir vontade e aja quando for importante e se descubra,estou aos 36 pertinho dos 37 e posso afirmar que é encantador essas descobertas.Bjs,Adriana.:)

  • Cecilia Medeiros

    Vc mesmo disse que atirou-se no abismo, caiu,foi até o fundo! Só resta agora subir, respirar e aprender a lição seja ela qual for.
    Bjs e se escrever seus mi- mi- mi no blog te faz bem,estamos aqui p ler e te confortar.

  • Ana Teixeira

    oi… está no bom caminho… faz parte do nosso processo evolutivo… Minha vida tem tido fases mt boas e outras em que o tombo é tão grande que nem nos apercebemos do mal que fazemos a nós próprios, tudo porque só aprendemos depois de cair e só dessa forma ganhamos maturidade para ver o mundo e a nós mesmos com olhos de ver… isso acontece com você, comigo e outros milhares de pessoas… aí, aqui e em qualquer outra parte do mundo… se encontre e verá que tudo se torna mais fácil… mas acredite também que ninguém muda de um dia para outro… a mudança acontece todos os dias pouco a pouco… quanto a ser mãe e ter filhos… você saberá a hora certa… mas mesmo sendo a melhor pessoa do mundo, ninguém acerta sempre na educação que dá… somos humanos e existem sempre falhas pois a educação de outro ser implica a interação entre você, ele e o mundo que vos rodeia… Todas as mães tem temores quando se fala em educar bem… Por experiência própria de 2 filhos, acredite que tal como a vida é uma dia de cada vez… Beijos e seja muito feliz porque ela está apenas em nós mesmos… Parabéns por ser quem é!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.