Risoto de Carne e Champignon

Postado em Receitas / Friday, 21 de March de 2014

Esse foi um dos pratos que preparei com o arroz Carnaroli (tu já viu o post falando sobre os tipos de arroz para risoto? não? clique aqui), ficou tão saboroso!!!

A carne aqui do sul também tem outro sabor, lembra muito a carne argentina e como diz o cliente vip “eu fiquei maníaca por carne”. Senhores bois, vacas e afins, fujam para as montanhas, por que eu posso ser uma serial killer quando se trata da sua carne… oi?!

Vou parar de escrever besteira e segue a receita:

Risoto de Carne e Champignon

risotocarne

200 gramas de arroz arbóreo
1 cebola pequena corta bem miudinha
2 colheres de manteiga sem sal + 1 colher cheia para finalizar
1 taça de vinho branco seco
2 litros de caldo de carne
250 gramas de carne cortadas em cubinhos (na verdade, a quantidade de carne é conforme o gosto de freguês)
1 vidro ou saquinho de champignon
1 pacote de queijo parmesão
sal à gosto

Aqueça o caldo em um panela a parte.

Em uma outra panela aqueça as 2 colheres de manteiga. Adicione a cebola e a carne e refogue.

A partir daí a receita pede a sua atenção total e você não deve se afastar da panela. Aumente o fogo e adicione o arroz e comece a fritá-lo. Mexa ele constantemente para não queimá-lo (o arroz também não deve ficar dourado).

Depois de 2 ou 3 minutos diminua o fogo para médio e adicione o vinho branco sem parar de mexer. Nesta etapa todo o álcool da bebida vai evaporar e o vinho será absorvido pelo arroz.

Acrescente a primeira concha de caldo quente.

Você não deve parar de mexer, não se esqueça de esfregar o fundo da panela deixando o fundo bem limpo para que o arroz não grude.

Quando o caldo estiver secando, adicione mais caldo, até que o arroz fique cozido. Para saber se o arroz está cozido, vá experimentando o arroz e observando a sua textura.

Quando o arroz estiver no ponto, adicione o champignon e o queijo ralado e mexa, abaixe o fogo e experimente para ver se haverá necessidade de colocar sal (caso sim, coloque mais sal no risoto).

Desligue o fogo e adicione a última colher de manteiga, que deverá deve estar bem gelada, no centro da panela. Misture delicadamente, sem encostar a colher na manteiga, misturando o arroz pela lateral da panela, de forma que manteiga fique no meio e vá se desfazendo aos poucos. Deixe a panela tampada por 5 minutos antes de servir esse risoto lindo e saboroso.

Girafinha linda {DIY}

Postado em Craft / Thursday, 20 de March de 2014

IMG_5625
{Foto Someday Crafts}

Tem uma amiga minha (oi Eliene!!!) que anda fazendo toys muito fofos para o seu filho (e seus amigos e amigas), eu fico ali babando na dela pela criatividade dela.

Esse tutorial é bem a cara dela e acredito que ela vai ler e correr para fazer! Já que ela ama uma girafa.

Você já pensou em fazer os próprios brinquedos para o seu filho?

Isso é algo muito bacana e depois, você pode guardar e entregar para o seu neto… claro, se a criança não estragar o brinquedo.

Para ver esse tutorial, clique aqui e visite o blog Someday Crafts.

Quais são os tipos de arroz para Risoto?

Postado em Receitas / Wednesday, 19 de March de 2014

arrozderisoto

Esses dias eu comprei um saco de arroz para risoto e fiquei na dúvida entre o Carnaroli ou o Arbóreo… a diferença de preço não era muito grande, um real para ser exata  e o que fez eu levar o Carnaroli para casa foi a questão da marca do produto.

Mas você sabia que existe mais de um tipo de arroz para risoto?

Sim existe sim!!

Os tipos que vocês poderão encontrar por aqui são:

- Arroz Arbóreo: é o tipo de arroz mais comum e conhecido entre os brasileiros. Tem os grãos mais longos, é perfeitamente desenhado, mantém a forma quando cozido e não contém muita amilose, causando uma cremosidade menor em relação aos outros tipos de grão. Ele retém muito bem os sabores e atinge mais rápido o ponto de cocção, aproximadamente 15 minutos. O seu preço é o mais barato entre os outros tipos de arroz para risoto e combina com receitas que contém porções maiores de carne.

- Carnaroli: é o grão da foto e que eu comprei para preparar os risotos aqui em casa. Ele é o queridinho dos italianos, tem o grão relativamente médio, é mais fino do que o arbóreo e tem uma grande quantidade de amilose, o que dá uma excelente cremosidade ao prato. É um grão consistente, muito saboroso pela fácil absorção do caldo e costuma atingir o ponto de cocção em torno de 18 minutos.

- Vialone Nano: o grão mais curto, tem o formato arredondado, e é o que tem mais amilose, resultando em um risoto altamente cremoso. Entretanto o interior dos grãos continua firme no cozimento. O tempo de cocção é o mais longo, média de 20 minutos. Bom para risotos delicados, com ingredientes miúdos ou frutos do mar e que não costumam ser finalizados com queijo na Itália.

Por costume, eu sempre comprava o Arbóreo, acredito que no mercado que eu fazia compra não tinha tanta opção (o mercado não era dos melhores também).

Aqui no sul, é mais comum você encontrar variedades de produtos nos mercados grandes e tu meio que pira com tudo isso. É um verdadeiro paraíso e se tu não controlar, sai gastando mais que devia. Por causa disso, eu acabei me apaixonando pelo Carnaroli, virou o meu queridinho da cozinha e terá várias receitas novas de risoto por aqui :)

Agora eu preciso comprar o Vialone Nano, para dizer qual deles roubou o meu coração, completamente!!

Oi?!

Você quer as receitas que eu já fiz de risoto aqui no blog?

Segue aí: Risoto de Limão Siciliano, Risotto il Pollo ou Risoto de Frango, Risoto a Milanesa ou Risotto alla Milanese, Risotto de Lentilhas com Lingüiça Calabresa e Risoto de Ervilhas.

Bolo de Abacaxi Caramelizado

Postado em Receitas / Monday, 17 de March de 2014

Sabe aquela receita que lembra a velha infância? Feita pela mamãe ou pela vovó? Ou até Natal?

Essa foi uma maneira de matar saudades, adoro bolos com frutas caramelizadas e por favor, não vamos lembrar da dieta.

Bolo de Abacaxi Caramelizado

bolodeabacaxi

Massa:
2 xícaras de chá de açúcar
100g de margarina ou manteiga
4 ovos – claras separadas
1 xícara de chá de leite
3 xícaras de chá de farinha de trigo
1 colher de sopa de fermento em pó
2 xícara de chá de açúcar
1 colher de sopa de água
Fatias de abacaxi

Primeiro comece com a calda: coloque o açúcar e 1 colher de água na assadeira que fará o bolo ou em uma panela, leve ao fogo e derreta o açúcar até formar uma calda de caramelo. Retire do fogo, e distribuía as fatias de abacaxi em cima do caramelo. Quem usou a panela, jogue o caramelo na forma e espalhe-o e depois adicione as fatias de abacaxi (cuidado para não se queimar nesse processo).

Reserve.

Na vasilha da batedeira, coloque o açúcar, as gemas e a manteiga e misture. Junte o leite e a bata até obter um creme homogêneo, desligue a batedeira.
Adicione a farinha e o fermento e bata novamente.
Coloque as claras em neve e mexa com cuidado com uma colher.
Coloque a massa na assadeira e leve ao forno pré-aquecido 180°c até dourar.
Desenforme o bolo ainda quente para não grudar na assadeira.

Uma dica: use a casca e as outras fatias de abacaxi que sobrou para fazer um belo suco geladinho.

Mudança Interestadual… vale a pena?

Postado em Papo de Menina / Friday, 07 de March de 2014

Uma das nossas maiores dores de cabeça foi a questão a mudança: se era valido comprar tudo novo ou contratar uma empresa!

De São Paulo para Porto Alegre, podemos dizer que a mudança valeu a pena usando o sistema de mudança compartilhada, que funciona assim: sua mudança vai junto com outras mudanças (de outras pessoas) e cada um paga sua parte por esse transporte.

Nós tínhamos pouca coisa para trazer, como maquina de costura, aspirador de pó, mesas, cadeiras, cama, maquina de lavar, geladeira, fogão, micro-ondas, tv, roupas, enxoval e etc; Se somássemos tudo ia sair muito caro, se fossemos comprar novos. Porém, uma mudança só nossa, sem compartilhamento, passaria a valer a pena comprar tudo por aqui… acredito que esse seja um dos motivos das pessoas desistirem de se mudar para outro lugar, porque é caro, muito caro.

Conseguimos negociar preços super bacanas de mudança compartilhada de várias empresas de transporte, porém, algumas não passaram confiança e tínhamos um grande problema: precisamos da nossas coisas o mais rápido possível.

Quando você contrata esse tipo de mudança, eles ficam com suas coisas durante 15 a 20 dias (sentiram o drama?) e a empresa que fechamos, acabou quebrando um bom galho de retirar as nossas coisas dois dias antes da mudança ir para a estrada (que foi no sábado) e que estaria sendo entregue na quinta-feira.

Em São Paulo foi tudo lindo e maravilhoso, eles cumpriram oque prometeram, o pessoal foi super profissional e ficamos felizes  de estarmos meio caminho andado da nossa grande mudança de vida.

Aqui em Porto Alegre, a história mudou e mudou muito.

A filial de São Paulo nos envia por e-mail informando que a mudança chegaria na quarta-feira e pedem para entrar em contato com a filial de Porto Alegre.

Quando eu liguei, fui informada que a mudança já estava no guarda-volumes deles e que não tinham previsão quando poderiam entregar. Informei que foi acordado em São Paulo que a nossa mudança estaria sendo entregue naquela semana e que precisava de uma data, já que estávamos hospedados na casa de amigos.

Assim, foi dois dias, a Dona Nana aqui sendo boazinha e pedindo um retorno… que nunca aconteceu, quem ligava era apenas eu para ter notícia de alguma coisa.

Chegou sexta-feira e eu ligo: “Oi fulana, amanhã vocês vão entregar minha mudança?” a fulana “Ah segunda-feira vai ter camin… oh não, não tem caminhão semana que vem, vocês terão que aguardar”.

Eu sei que comecei a chorar e a falar “preciso das minhas coisas, preciso trabalhar e vocês estão f******** a minha vida…”.  Logo o Cliente Vip ligou em seguida para eles e fala que eles tem até amanhã (sábado) para entregar ou senão, a coisa ia ficar feia! ( claro, um pouco menos “carinhoso” que o escrito aqui )

Resumo da ópera, a mudança foi entregue no sábado, porém, não montaram uma mesa que precisava montar. Como estávamos cansado dessa história toda, montamos nós mesmo e ficamos felizes.

Graças a Deus, nada foi quebrado e acho que tudo foi entregue, conforme conferimos, (sinto falta de um prato de bolo que até agora não achei e nem vou achar… também não lembro se dei para minha mãe ou se ficou em São Paulo).

Então a dica que eu dou: se vocês estão pensando em fazer uma mudança interestadual, contrate essas mudanças compartilhadas (o valor vale a pena), façam em um período de férias, que tenham um lugar para ficar por um bom tempo e se bobear, pense em fechar a mudança quando estiver fechando o contrato do aluguel ou a entrega do seu imóvel, já que demora, como demora para as suas coisas chegarem a sua nova casa.

Pequenos detalhes em uma cozinha

Postado em Brincando de Casinha / Thursday, 06 de March de 2014

Bentgarden_vosgesparis2 bengt garden 3 bengt garden2 bentgarden_vosgesparis bentgarden_bylassen

{Fotos Vosgeparis}

Reparem nos detalhes: uma cozinha que chega a ser masculina mas ao mesmo tempo está na moda… quando eu falo está na moda, é por causa da caveira, hoje ela é idolatrada salve salve (oi?!) por muita gente.

Eu sei, algumas pessoas deixariam a caveira na cozinha e outras jogariam bem longe, bem longe da casa!!!

Mas vamos mudar de assunto, o importante aqui são os pequenos detalhes que deixam essa cozinha bacana, é sim!

Esses quadros negros pendurados na parede, os portas mantimentos e a mesa estilo viking (para quem vive na Europa, acho que é algo bem bacana).

Só que tem uma coisa que eu me apaixonei e levaria para casa fácil, é aquele cogumelo de madeira perdido no cenário e que você fica imaginando qual seria o seu uso. Acredito que seja um moedor de pimenta (apesar de não ter lógica dele estar perto do detergente).

Ah esses temperos “vivos” espalhados pela cozinha, é um sonho, não acham?!

* Observação de um marido:  ”essa caveira seria legal se fosse um pote de biscoito… ai poderíamos fazer biscoitos em forma de cérebro e guardar dentro da caveira” ok, isso é brincadeira e ele falou rindo, não levem a sério! Eu não sou casada com um zumbi, na verdade, nem nos interessamos ou gostamos de coisas de zumbis…

Para ver mais, clique aqui.

Como limpar uma caixa de gordura????

Postado em Brincando de Casinha, Papo de Menina / Wednesday, 05 de March de 2014

Ahhhh eu nunca tinha visto uma caixa de gordura na minha vida, nuncaaaaaaaaaaaaaaaa!!!

Nem sabia que isso existia, até me mudar para Porto Alegre e ver no meio da cozinha uma tampa de metal.

Claro, eu perguntei para a Carol o que era aquilo e ela respondeu “caixa de gordura”.

Logo fui informada que é necessário limpar a cada 3 meses (apesar que também fui informada que é necessário limpar toda semana se for o caso), senão a água volta para os canos com cheiro de esgoto e já viu né?!

Enquanto isso, procurei informações e um dos blogs que me ajudou bastante a tirar dúvidas foi Dona de Casa sim, Dona-de-Casa não!, ela explica direitinho para o que serve uma caixa de gordura e como limpa-la. Clique aqui para ler.

Também achei esse video da Tigre (não é um publieditorial) explicando como limpar, parece fácil e se você tem estômago fraco, não pode ver sujeira das fortes na sua frente ou vai me xingar no final dessa postagem, não veja o vídeo.

Existem produtos biodegradadores que “comem” a gordura e você não precisa abrir a caixa para limpa-la, precisa apenas jogar no ralo da pia e pronto, os biodegradores fazem o trabalho completo sem stress e sujeira para você.

Aonde encontra-lo?

Dizem que se encontra em casas de construção, ainda não fui a fundo aqui em Porto Alegre para saber aonde vende (se alguém souber, por favor, me informe).

Quem preferir gastar, pode contratar serviço de desentupidora e fique longe dos problemas com a caixa de gordura.

Rezem por mim, decidi limpa-la no mês que vem, até lá vou procurar o tal produto. No caso de eu não encontrar, no “Dia D” irei como guerreira, com luvas e proteções para limpar/enfrentar a tal dita cuja caixa de gordura.

Receita de Massa de Pizza

Postado em Receitas / Tuesday, 04 de March de 2014

Bem… não… é… vou jogar limpo!

As pizzas que são entregues aqui em Porto Alegre são diferentes das pizzas de São Paulo e agora compreendo porque as pizzas paulistas são tão famosas.

Entenda, elas não são ruins, os recheios são diferentes dos recheios das pizzas paulistas, mas alguns sabores não me agradaram.

Exemplo: a pizza portuguesa em São Paulo tem os seguintes ingredientes no recheio: presunto, mussarela, tomate, ovos cozidos, ervilhas, cebola e azeitonas.

A pizza portuguesa aqui em Porto Alegre, leva os seguintes ingredientes: Mussarela(nem todas), presunto, tomate, cebola, pimentão e azeitonas.

No caso da portuguesa, o pimentão não me agradou e senti falta da ervilhas, dos ovos… senti mesmo!! Não me julguem.

Os preços são parecidos com os de São Paulo e algumas chegam a ser até mais caras. Algumas pizzarias tu paga apenas o valor do tamanho da pizza, podendo escolher qualquer sabor e outras você escolhe por categoria. Sei que tem pizzarias melhores de outros bairros, mas as taxas de entrega são bem altas (não tinha taxa de entrega em São Paulo, isso nos assusta um pouco quando junta o valor total).

Depois de experimentar algumas pizzarias do bairro, decidimos o seguinte: entre pagar 45 reais por uma pizza (com a taxa de entrega e de brinde, um refrigerante), estamos preferindo fazer a nossa pizza com os sabores que queremos e estava acostumada a comer quando morava em São Paulo;

E assim, foi feito!!!

Massa de Pizza

pizza1

Ingredientes:

1 Kg de farinha de trigo
30 gramas (ou um envelope) de fermento biológico
3 xícaras de água morna
3/4 xícara de óleo
1 colher de chá de sal
1 colher de chá de açúcar

Modo de Preparo:

Misture o fermento no açúcar e uma colher de sopa de farinha de trigo e misture com um pouco de água morna, ele vai virar uma papinha e começará a criar bolhas. Deixe descansando por alguns minutos.

Coloque 800 gramas de farinha de trigo na mesa e faça um buraco. Para quem não tem mesa, pode fazer em uma bacia (exemplo eu, que ainda não compramos uma mesa para cozinha). Abra um buraco no meio e coloque o óleo e o fermento. Misture o liquido do centro com a farinha, de dentro para fora e vá adicionando/alternando com água morna, até desgrudar das mãos. Eu gosto de adicionar o sal por último, já que ele reage com o fermento não deixando a massa crescer.

Eu costumo deixar sempre um pouco de farinha fora “da roda”, caso precise adicionar mais farinha na massa pela questão da água (as vezes não precisa adicionar mais água e tem caso que precisa adicionar mais farinha caso a massa fique molenga), por esse motivo não coloco 1 quilo de farinha logo de cara. Gosto de sentir a textura, limpar as mãos com a farinha seca, socar mais um pouco e depois deixar uma camada fina de farinha em cima da massa quando estiver descansando.

Faça duas bolas com a massa e deixe a massa crescer por 30 minutos.

Aqueça o forno e abra os discos nesse momento.

pizza2

Em uma forma untada (com manteiga e farinha), coloque os discos de pizza e pincele com molho de tomate.

Fure a massa com um garfo e leve ao forno por 15 minutos em temperatura média. Quem quiser, pode congelar o disco de pizza depois dessa pré assada (depois de fria, é claro).

Faça o recheio de sua preferência, nessa pizza nós fizemos com lingüiça (ou salshicão como é conhecido por aqui) Borrússia triturada no processador (sim é a marca de uma lingüiça tri-boa daqui, que os gaúchos usam muito para churrasco e não, não é um plubieditorial) e cebolas.

Na verdade, eu queria fazer com lingüiça calabresa… só não avisei o Cliente Vip que eu estava querendo fazer pizza.; Então no momento da compra, os salshicões venceram a batalha do preço e foram eles os escolhidos para fazer a pizza… mesmo assim, trocando as lingüiças (oi?!), a pizza ficou ótima.

Voltando ao modo de preparo, coloque o recheio na massa, um pouco de azeite e para quem gosta, uma pitada de orégano.

Retorne a pizza para o forno, durante 15 minutos ou até a massa ficar dourada.

Está pronta para servir e todos vão amar a sua pizza feita em casa.

Ps.: Ok, não ficou a pizza paulista, nem de perto, mas matei a saudade de comer a minha pizza “orra, meu!!!”.

Queijadinha Express

Postado em Receitas / Friday, 28 de February de 2014

Eu e o cliente vip somos duas formiguinhas, mas confesso que não morro de amores pela queijadinha, já o cliente vip…

É muito raro ele pedir algo, mas dessa vez ele pediu e foi apenas uma vez, não falou mais do assunto, só que fiquei com isso na cabeça e fiz, essa queijadinha bacana para o meu marido.

Queijadinha

queijadinha

1 lata de leite condensado
2 colheres de sopa de queijo parmesão ralado
3 ovos
200 gramas de coco ralado
1 xícara de chá de açúcar
2 colheres de chá de fermento em pó

Aqueça o forno a 200 ºC.

Em uma vasilha, bata primeiramente os ovos com um fouet, depois acrescente o leite condensado, o açúcar, o coco e o queijo ralado, misturando todos os ingredientes muito bem. Coloque o fermento, mexa bastante para incorpora-lo à massa. Quem quiser, bata todos os ingredientes no liquidificador para ser feliz :) e não ter trabalho com o fouet.

Preencha até a metade de forminhas de papel (sobre forminhas de metal) e leve ao forno por 30 minutos, ou até dourar.